“A vida é sonho” … e o sonho é vida

O sono é um componente fundamental da existência de todo o ser humano e tem um impacto direto na qualidade de vida e na saúde geral. Está sob a influência de inúmeros fatores biológicos, psicológicos e sociais, e suas alterações podem ter sérias consequências, por isso é importante detectá-las e tratá-las a tempo

O sono é um fenômeno mais complexo do que parece. De fato, verificou-se que vários aspectos, incluindo sua qualidade, continuidade, duração e arquitetura (as fases que formam o sono) estão associados a um risco aumentado de mortalidade, hospitalizações e acidentes de trânsito e influenciam muito a saúde, o bem-estar e o desempenho diário das pessoas.

Este dado não é pequeno, já que quando o sono é perturbado, por exemplo, por insônia persistente, a qualidade de vida piora semelhante ao que acontece com outras doenças crônicas, como a insuficiência cardíaca congestiva. Entre as inúmeras complicações gerais que podem causar a insônia estão fadiga durante o dia, alterações no humor, aumento do estresse, dificuldade para enfrentar os desafios diários no trabalho, sociais e familiares etc. Além disso, quando o sono geralmente dura menos de seis ou mais de nove horas, há um risco aumentado de hipertensão, obesidade, doença coronária e até mesmo morte.

Fala-se de insônia quando, embora existam condições de sono adequadas, a pessoa apresenta dificuldades para dormir constantemente, para mantê-lo por muito tempo, para acordar antes do tempo ou para atingir uma qualidade restauradora apesar de ter dormido suficientemente. Tudo isso tem um impacto direto nas atividades diurnas, em maior ou menor grau.

A insônia pode ser primária ou secundária. Esta última é causada por uma doença médica ou psiquiátrica ou por abuso de substâncias. A insônia primária pode ser classificada por:

• insônia de adaptação: é aquela desencadeada por uma situação estressante; se psicológico, fisiológico, ambiental ou físico
• insônia psicopatológica: há um maior nível de alerta, uma preocupação excessiva com a incapacidade de dormir e o surgimento de associações que impedem o adormecimento
• Insônia paradoxal: a pessoa se queixa de insônia grave, mas não há evidências objetivas de distúrbios do sono ou suas possíveis consequências diurnas
• Insônia idiopática: início insidioso desde a infância e com duração ao longo do tempo
• insônia devido à higiene inadequada do sono: é associada a hábitos cotidianos que interferem na boa qualidade do sono, como o horário irregular para dormir, atividades estimulantes antes do descanso etc.
• Insônia comportamental da infância: é aquela de crianças que se recusam a dormir quando o seu cuidador pede, ou quando são tomadas ações inadequadas para fazê-las dormir, como assistir televisão, deixar a luz acesa etc.

Sonhos compartilhados

A ciência geralmente considera o sono a partir de uma perspectiva individual, mas a realidade é que, antes de dormir, a grande maioria dos adultos compartilha sua cama com alguém. Na verdade, você pode entender o sono como uma conduta de apego fundamental, já que para que se produza uma diminuição no estado de alerta e na suspensão temporária da vigília é necessário para a pessoa sentir-se segura, física e emocionalmente.

A teoria do apego propõe que as interações precoces com o cuidador (ou com o casal, no caso de relacionamentos adultos) levarão ao desenvolvimento de expectativas sobre uma resposta consistente de cuidado e amor diante das necessidades. Estes cuidados têm um papel importante na regulação das emoções e do estado de alerta, uma vez que uma figura de apego seguro alivia a tensão em momentos de ameaça real ou imaginária. O apego é particularmente relevante em relação ao sono, pois, para que ele seja profundo e repousante, é necessário que a pessoa se sinta confortável, uma experiência afetiva que surge de um relacionamento de apego seguro. Algumas pesquisas mostraram que uma pessoa com apego inseguro manifesta subjetivamente uma pior qualidade de sono e apresenta evidência de sono superficial quando uma polissonografia – estudo que mostra objetivamente algumas de suas características – é realizada.

Há cada vez mais evidências científicas que apoiam o senso comum: a relação bidirecional entre o sono e a dinâmica do relacionamento do casal. Acredita-se que essa interrelação seria mediada por aspectos psicológicos, comportamentais, cronobiológicos, neurobiológicos e fisiológicos. Por exemplo, os cônjuges podem ter um efeito direto sobre o sono ao influenciar o ritmo circadiano, mediante traços sociais, tais como manter um horário de refeições e algum ritual compartilhado antes de se deitar.

Assim, os distúrbios do sono de uma pessoa afetam quem os acompanha na hora de dormir e as vicissitudes no relacionamento do casal também influenciam seu sono. Isso é mais perceptível em momentos críticos, como o aparecimento de uma doença ou o nascimento de uma criança.

Por outro lado, estudos populacionais observaram níveis mais altos de felicidade conjugal em pessoas com menos sintomas de insônia. Além disso, os cônjuges podem promover hábitos saudáveis, como manter uma rotina de dormir e acordar, atividade física regular e procurar tratamento para problemas de saúde.

Ampliando a perspectiva sobre esta realidade complexa, vale afirmar que a relação negativa entre distúrbios do sono e dificuldades no relacionamento não só afeta a saúde geral de cada indivíduo, mas também atinge o bem-estar físico e emocional do resto da família.

Apanhador de sonhos

Existem várias estratégias para o alívio da insônia primária. Entre elas estão algumas alternativas não farmacológicas, como psicoterapias, terapias comportamentais, higiene adequada do sono, técnicas de relaxamento, fitoterápicos etc. Quando essas abordagens são insuficientes, pode-se recorrer à farmacoterapia, incluindo agonistas de receptores benzodiazepínicos, benzodiazepinas, antidepressivos com perfil sedativo e outros psicofármacos com efeitos sedativos (ansiolíticos, antipsicóticos, anti-histamínicos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Prezado usuário, 

 

A Kairos contém conteúdos que são dirigidos exclusivamente a profissionais de saúde, farmacêuticos, médicos e odontólogos.

O site oferece informações apenas para fins educacionais e informativos em geral para profissionais autorizados a prescrever ou dispensar medicamentos. Estas informações não se destinam a substituir o aconselhamento, tratamento ou recomendações de profissionais de saúde ou substituir os conhecimentos, competências e melhores práticas que adquiriram durante a sua formação.

 

Ao aceitar estas condições, você declara ser profissional de saúde.