Revista Farmacêutica Kairos - Seções - Saúde

Artrose: diagnóstico e tratamento

A osteoartrite ou artrose é um dos distúrbios da articulação que ocupa o topo da lista de todas as doenças que afetam as articulações. Ela é caracterizada pela degeneração da cartilagem articular e do osso subjacente, o que resulta no aparecimento de dor e rigidez

A osteoartrite ou artrose, também conhecida como artrite degenerativa ou doença degenerativa das articulações, é um dos distúrbios da articulação que ocupa o topo da lista de todas as doenças que afetam as articulações. É comum em homens e mulheres em torno de 70 anos de idade, embora os sintomas da doença podem aparecer mais cedo em pessoas do sexo masculino.

A artrose pode se desenvolver em qualquer articulação do corpo, embora as articulações das mãos, quadril, joelho e coluna vertebral são as mais comumente afetadas. Normalmente, a doença compromete apenas uma articulação. No entanto, em alguns casos, como com a artrose dos dedos da mão, várias articulações podem ser comprometidas.

Ainda existem muitos mitos sobre a artrose, como, por exemplo, aquele que diz que esta é uma característica inevitável do envelhecimento, como as rugas da pele ou a mudança na cor dos cabelos, ou que leva ao desenvolvimento de deficiências mínimas ou que seu tratamento não é eficaz. Embora seja verdade que a artrose é mais comum em pessoas de idade avançada, a sua causa não é apenas o processo de envelhecimento.  Grande parte das pessoas que sofrem de artrose, principalmente as pessoas mais jovens, apresenta poucos ou nenhum sintomas da doença. Por outro lado, as pessoas mais velhas desenvolvem deficiências significativas.

Artrose: definição e causas

A artrose é uma doença crônica caracterizada pela degeneração da cartilagem articular e do osso subjacente, e como resultado, leva ao aparecimento de dores e rigidez articular. Embora ainda não tenha sido estabelecida a causa da doença, os investigadores suspeitam de que a artrose ocorra devido a uma combinação de fatores, incluindo o sobrepeso, o processo de envelhecimento, lesão ou estresse articular,  hereditariedade e fraqueza muscular. Os fatores que aumentam o risco de artrose são: idade avançada, sexo (mulheres são mais propensas a desenvolver a doença), presença de deformações ósseas e lesões articulares, obesidade e a presença de outras doenças que afetam os ossos e as articulações.

As consequências da doença causam a deterioração de todos os componentes da articulação móvel, osso, cápsula articular (tecidos ao redor de algumas articulações), membrana sinovial (tecido que reveste a articulação), tendões e cartilagem.

Em condições normais, as articulações apresentam um nível muito baixo de fricção, não provocando desgastes. O uso excessivo de uma articulação, que pode ocorrer devido ao treino intenso de um esporte ou a uma lesão, é um fator que pode levar ao desgaste.

Uma hipótese desenvolvida para explicar o processo devido ao qual a degeneração da cartilagem ocorre, levando à artrose articular, é aquela que estabelece a ocorrência de uma alteração das células que formam os componentes da cartilagem articular. A cartilagem articular é basicamente composta por colágeno (que fornece resistência à cartilagem) e proteoglicanos (substâncias que dão elasticidade à cartilagem). Na artrose, a cartilagem pode crescer muito, mas, eventualmente, se torna mais fina e fissuras são formadas em sua superfície.  A profundidade destas fissuras leva à formação de pequenas cavidades que atingem o osso que se situa abaixo da cartilagem (osso subcondral), provocando o seu enfraquecimento. O osso também começa a crescer excessivamente nas extremidades da articulação. Este crescimento excessivo cria a aparência de tumefações ósseas, chamadas de osteófitos, que são evidentes em uma radiografia, podendo ser sentido com o toque e, às vezes, chegam até a ser visíveis. Os osteófitos alteram a funcionalidade da articulação e causam dor nas articulações.

A superfície lisa e regular da cartilagem se torna irregular, com perfurações, o que dificulta os movimentos normais da articulação.

Sintomas e progressão da doença

Os primeiros sinais da artrose podem ser vistos em uma radiografia, em pessoas com 40 anos de idade. Estes sinais são particularmente observados nas articulações que suportam o peso, tais como o quadril. Independentemente da observação de tais achados radiológicos, é provável que a pessoa não apresente qualquer sintoma. Na maioria dos casos, os sintomas se desenvolvem gradualmente e afetam uma ou mais articulações, podendo ser as articulações dos dedos, a base dos polegares, o pescoço, as costas, o dedão do pé, o quadril e os joelhos. O primeiro sintoma é a dor, que geralmente aumenta com o movimento. Em alguns casos, pode-se manifestar rigidez articular após dormir ou um período de inatividade, e geralmente desaparece após 30 minutos de movimentos da articulação.

À medida que a doença progride, a articulação pode perder mobilidade e pode até mesmo ficar completamente rígida em uma posição anormal. O crescimento anormal da cartilagem e do osso pode deformar a articulação. Na ponta do dedo são comumente desenvolvidas protuberâncias ósseas, que são chamadas de nódulos de Heberden.

Nos joelhos, os ligamentos que suportam a articulação podem se estirar a tal ponto que provocam sua instabilidade.

A dor, neste caso, pode aparecer quando você mover a articulação, ao roçar o joelho contra algum objeto ou simplesmente ao tocar.  No caso da articulação do quadril, ela se torna rígida e o movimento provoca dor.

Dor nas costas é o sintoma mais comum quando a artrose afeta a coluna vertebral.  Se o crescimento ósseo comprime os nervos, a artrose do pescoço ou da área lombar pode causar dormência, dor e fraqueza em um braço ou em uma perna.

A osteoartrite é uma doença que progride lentamente, após o aparecimento dos sintomas.  Muitas pessoas apresentam algum grau de deficiência, embora a degeneração articular que caracteriza a doença possa ser interrompida em alguns casos.

O diagnóstico da artrose

Diante da suspeita da doença, o médico continuará com a exploração da articulação e perguntará sobre as características da dor articular. Para entender melhor a causa da dor, o profissional indicará uma série de exames: radiografias, exames de sangue, análise do fluído articular e exame da articulação com uma pequena câmera (artroscopia). A radiografia pode revelar a redução do espaço articular, o que é um indicador da degeneração da cartilagem, e também pode mostrar as tumefações ósseas (osteófitos).

Os exames de sangue podem ajudar a excluir outras causas de dores nas articulações, tais como a artrite reumatoide. A análise do fluído articular é realizada com uma agulha para extrair o fluído da articulação afetada. O exame do fluído pode determinar se a dor é causada por outras causas, tais como gota ou infecção da articulação.

A artroscopia pode ser indicada em algumas circunstâncias para determinar a causa da dor articular. Durante o exame, pequenas incisões são feitas ao redor da articulação através da qual uma pequena câmera é inserida, a qual permite a observação da articulação em uma tela.  Este método permite identificar anormalidades presentes na articulação.

Aspectos gerais do tratamento e da prevenção

A artrose é uma doença que piora gradualmente ao longo do tempo. Atualmente não há uma cura. Contudo, as opções terapêuticas atuais permitem aliviar a dor e promover uma maior mobilidade da articulação.

O exercício cumpre um papel fundamental no tratamento da doença. Assim como os exercícios de alongamento como os do fortalecimento e postura são adequados para melhorar a mobilidade de uma articulação e fortalecer os músculos que a rodeiam. Assim como o exercício é parte importante de um tratamento da artrose, o repouso também é. Quando aparecer a dor nas articulações ou inchaço, recomenda-se tomar períodos prolongados de descanso. Deve-se procurar realizar atividades que não requerem o uso repetido da articulação. Também é recomendado interromper a atividade por 10 minutos a cada hora.

Os sintomas da artrose se agravam pelo uso de cadeiras, colchões e assentos de carro muito macios. Por esta razão, recomendamos a utilização de cadeiras de encosto reto, colchões duros ou pranchas de madeira colocados sob o colchão.  Existem exercícios especialmente indicados para artrose da coluna que podem trazer ótimos resultados.

É importante manter o nível de atividade diária habitual, desempenhar um papel ativo e independente em casa e continuar com a atividade laboral. A fisioterapia e a aplicação de calor também são úteis no tratamento da doença. Recomendamos tomar banhos mornos ou quentes.

As massagens realizadas por terapeutas profissionais podem ter bons resultados quando a artrose afeta o pescoço, bem como, por exemplo, a tração e a aplicação de calor com ultrassom.

Uma parte do tratamento inclui o uso de certos agentes farmacológicos. Alguns analgésicos ou anti-inflamatórios não esteroides (AINE) podem reduzir a dor e a inflamação articular. Um exemplo destes agentes que é indicado para o tratamento da osteoartrite é o meloxicam. Em alguns casos, especialmente quando a dor é muito intensa ou aparece de forma súbita, injeções de corticosteroides podem ser aplicadas, o que proporciona o alívio a curto prazo. Em casos moderados a graves da doença, analgésicos de ação central também podem ser usados. Existem também tratamentos complementares e alternativos na gestão da doença que se mostram promissores. Dentro destes tratamentos estão incluídos glicosamina e sulfato de condroitina. A glicosamina e o sulfato de condroitina são suplementos nutricionais. Alguns estudos têm demonstrado que a inclusão no tratamento pode ajudar a aliviar a dor e também melhorar a função articular. Yoga e acupuntura também fazem parte dos métodos alternativos para o tratamento da artrose.

Quando a artrose é avançada e a dor persiste mesmo após o início de um tratamento médico, cirurgia pode ser necessária.  As articulações do quadril e do joelho podem ser substituídas usando uma prótese artificial. A possibilidade de uma substituição da articulação pode ser considerada quando o movimento é muito limitado. De modo geral, a substituição articular tem bons resultados; melhora a funcionalidade e o grau de movimento de uma articulação, enquanto diminui a dor.

Os sintomas da artrose geralmente se desenvolvem de forma lenta e pioram com o tempo. Os sinais e sintomas incluem:


• dor em uma articulação durante uma atividade, depois da atividade ou após um período de inatividade;

• sensibilidade articular quando exercida uma leve pressão sobre a articulação;

• rigidez em uma articulação, o que pode ser mais evidente ao despertar pela manhã ou após um período de inatividade;

• perda da flexibilidade que pode dificultar o movimento articular;

• inflamação articular;

• esporões ósseos que aparecem como protuberâncias duras e se formam ao redor da articulação afetada;

• sensação de ranger das articulações com o movimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Edição Atual

Siga a Kairos nas Redes Sociais

Siga nosso Twiter Curtir nosso Facebook
Home Kairos Revista Farmacêutica