Infecções do trato urinário

Infecções do trato urinário são muito frequentes, especialmente em mulheres em idade reprodutiva. A cistite causa dor intensa e é um motivo muito comum para consultar o médico, portanto, conhecer as medidas de prevenção e os principais medicamentos disponíveis pode ser muito útil

Naquela manhã, ela acordou com um desconforto estranho. No começo não entendia muito bem o que estava acontecendo, só conseguia identificar que sentia um pouco mais de calor que o normal, mesmo que a temperatura do ambiente não demonstrasse. Quando ela chegou ao banheiro para começar o dia, chegou como um balde de água fria a lembrança daquele sentimento irritante, uma mistura de dor e queimação, toda vez que esvaziava sua bexiga. Com frustração, ela sabia que suas visitas ao banheiro se multiplicariam até a exaustão, embora realmente não tivesse nada para urinar. Ela foi procurar todos os seus documentos para ir ao médico naquele mesmo dia; não queria que sua infecção urinária perturbasse suas atividades como da última vez.

Esta história pode ser a de qualquer uma das muitas pessoas que sofrem de infecção do trato urinário, uma doença que afeta principalmente as mulheres (ver caixa). Na verdade, estima-se que uma em cada três mulheres necessite de um tratamento para infecção urinária antes dos 24 anos. Na grande maioria dos casos, é causada por bactérias que entram pela uretra; a bexiga é o órgão mais frequentemente afetado, mas a infecção pode subir pelo trato urinário até os rins. Algumas pessoas são mais propensas a desenvolver essas infecções, como é o caso de quem tem algum dos seguintes fatores de risco:
• Diabetes
• Gravidez
• Idade avançada
• Menopausa
• Uso de um diafragma para controle de natalidade
• Hábitos de higiene deficientes
• Permanecer imóvel por longos períodos
• Dificuldade em esvaziar completamente a bexiga
• Condições que bloqueiam o fluxo de urina (aumento da próstata, estreitamento da uretra, etc.)
• Cirurgia ou procedimento invasivo no trato urinário
• Ter um cateter vesical
• Incontinência intestinal
• Cálculos (pedras) no rim

Como saber se é uma infecção urinária?

Em geral, o diagnóstico baseia-se nos sintomas característicos, geralmente suficientes para que o profissional de saúde decida sobre o início do tratamento. Quando a infecção urinária afeta a bexiga (cistite), as manifestações mais comuns incluem turbidez e odor forte ou com mau cheiro de urina, sangue na urina, dor ou ardor durante a micção, desconforto ou dor na área inferior do abdome ou nas costas, grande necessidade de urinar com mais frequência (às vezes, a todo instante), mesmo depois de ter esvaziado a bexiga, sensação de urgência de urinar e febre baixa. Em relação ao exame físico, o único sintoma que pode surgir é dor moderada à palpação na região púbica superior. Nos casos em que a infecção afeta os rins (pielonefrite), pode-se adicionar febre alta com calafrios e agitação ou suores noturnos, fadiga e mal-estar, dor na virilha, barriga, costela (flancos) ou costas, náuseas e vômitos, e até mesmo alterações mentais ou confusão. Este último geralmente ocorre em pessoas idosas e às vezes é o único sintoma de uma infecção do trato urinário. Em relação ao exame físico, é evidenciado um mal-estar geral e dor aguda para os golpes medidos que são feitos na parte inferior-média das costas, os lados da coluna e abaixo das costelas, uma vez que nesta área se encontram os rins.

Se desejar confirmar que os sintomas são devidos a uma infecção urinária, é necessário um exame de urina. Quando se trata dessa condição, as características da urina mudam: a cor pode ser turva, avermelhada (se contiver sangue), e o exame microscópico mostra células típicas de uma infecção: glóbulos brancos e bactérias.

Em alguns casos, imediatamente antes de iniciar o tratamento com antibiótico específico, deve ser realizado um cultivo de urina, em que o germe causador da infecção é identificado, e um antibiograma, o estudo que determina qual antibiótico é o que melhor combate os agentes causadores da infecção e detecta se eles são resistentes a qualquer droga. Dessa forma, as chances de sucesso no tratamento aumentam, especialmente nos casos em que há suspeita de uma complicação subjacente ou quando há história de infecções urinárias recorrentes ou resistentes a antibióticos. Devido ao fato de os resultados levarem alguns dias, um tratamento empírico geralmente é iniciado após a coleta da amostra para realizar essas análises, e é ajustado, se necessário, de acordo com o relatório. Quando as infecções urinárias são muito frequentes, é provável que o médico indique estudos complementares para detectar uma causa que as favoreça. Por exemplo, pode-se solicitar uma ultrassonografia dos rins, uma tomografia computadorizada do abdome, um pielograma (um raio X com material de contraste que permite a visualização do sistema urinário) etc. Se for identificada uma condição que favoreça a infecção repetida do trato urinário, é necessário corrigi-la, além de realizar o tratamento da infecção.

Felizmente, na maioria das vezes, as infecções urinárias são resolvidas com um tratamento antibiótico adequado e curto em nível ambulatorial. Para isso, é essencial que o médico determine se a infecção é baixa (afeta apenas a bexiga) ou alta (quando afeta os rins) e sua gravidade. Em geral, considera-se que as infecções urinárias em mulheres antes da menopausa, que não estejam grávidas e sem outras complicações, podem ser tratadas empiricamente, com base no diagnóstico sintomático e com antibióticos cuja eficácia foi amplamente testada, embora análises específicas não sejam realizadas no caso particular. Pelo contrário, o tratamento é um pouco mais complexo em infecções urinárias consideradas complicadas, que são aquelas que ocorrem em homens, mulheres grávidas e em pessoas com alterações no sistema urinário ou com comprometimento do sistema imunológico, que é responsável, entre outras funções, por combater infecções. É muito importante que o tratamento antibiótico seja realizado conforme indicado pelo profissional de saúde, pois, caso contrário, a infecção poderia retornar e, posteriormente, ser mais difícil de tratar, devido ao risco de bactérias desenvolverem resistência aos antibióticos. Também é benéfico aumentar o consumo de água durante todas as infecções do trato urinário.

Em algumas circunstâncias, a hospitalização é necessária para o tratamento desta doença. É o caso de pessoas com complicações como pedras nos rins, pacientes que estão no pós-operatório do trato urinário, quando não é possível manter a hidratação adequada e, em alguns idosos, com câncer, diabetes ou outros problemas de saúde importantes. Enquanto a maioria das infecções do trato urinário se resolve sem maiores problemas, complicações como infecção, cicatrização ou danos aos rins e disseminação da infecção para o sangue podem, às vezes, ser fatais. Portanto, é importante consultar o médico para realizar o tratamento e também para qualquer dúvida ou sinal de complicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Prezado usuário, 

 

A Kairos contém conteúdos que são dirigidos exclusivamente a profissionais de saúde, farmacêuticos, médicos e odontólogos.

O site oferece informações apenas para fins educacionais e informativos em geral para profissionais autorizados a prescrever ou dispensar medicamentos. Estas informações não se destinam a substituir o aconselhamento, tratamento ou recomendações de profissionais de saúde ou substituir os conhecimentos, competências e melhores práticas que adquiriram durante a sua formação.

 

Ao aceitar estas condições, você declara ser profissional de saúde.