Quando a dor ocorre na coluna vertebral

A dor na coluna vertebral, mais precisamente na zona cervical e lombar, é um tema de consulta frequente na prática diária. Seu tratamento adequado é fundamental no sentido de evitar as limitações impostas ao indivíduo afetado, no desenvolvimento de suas atividades familiares e sociais

A dor lombar é um sintoma muito comum, a tal ponto que é difícil encontrar alguma pessoa que não tenha experimentado esta desagradável sensação em algum momento de sua vida e, em muitos casos, que tenha inclusive manifestado mais de um episódio. Não é uma afecção específica, mas é um dos motivos mais comuns de consulta médica e, por outro lado, uma razão de absenteísmo laboral.

A dor lombar pode se manifestar como leve e permanente, embora ocasionalmente possa se apresentar na forma de pontadas repentinas que dificultam a realização de movimentos.

Quanto ao aparecimento, a dor pode surgir de forma repentina sem uma origem aparente, ou pode desenvolver-se logo após levantar-se um objeto muito pesado, por acidente ou queda.

As causas da dor lombar

A dor lombar pode ter muitas causas. Embora qualquer pessoa possa padecê-la, existem fatores que aumentam o risco de que essa dor apareça. Em geral, a dor lombar costuma se evidenciar em pessoas a partir dos 30 anos de idade. Isto levaria a pensar que essa dor estaria associada, de alguma maneira, ao processo de envelhecimento; e de fato, essa perturbação é mais frequente à medida que a idade avança. Da mesma maneira como ocorre em outras condições clínicas, o sedentarismo parece ser um fator importante no aparecimento dessa dor. Em pessoas com uma condição física deficitária e que não realizam atividade física regular, a dor lombar é mais comum. O sobrepeso e a obesidade são outros fatores de risco. O excesso de peso no corpo faz com que o esforço para realizar alguns movimentos tenha que ser maior, e isto pode resultar no aparecimento de dor. Outra causa importante de dor lombar é a presença de certas enfermidades como a hérnia de disco, enfermidades afetando às articulações da coluna vertebral (como a artrose ou a osteoporose) e, inclusive, tumores. Se bem que todas estas são causas importantes, uma das mais comuns na prática diária é a realização de esforços musculares durante uma atividade laboral ou doméstica. Levantar e empurrar objetos pesados pode causar dor. As más posturas também são causa frequente de dor. Se uma pessoa passar várias horas durante o dia sentada em frente a uma escrivaninha e não se sentar direito, também poderá ter dor lombar. As infecções, os tumores e o estresse também poderão causar dores lombares.

Dor cervical

A dor cervical pode ter sua origem em qualquer das estruturas do pescoço, ou seja, nos músculos, nervos, vértebras da coluna e discos intervertebrais. A dor também pode provir de áreas próximas ao pescoço, como são os ombros, a mandíbula, a cabeça e a parte superior dos braços.

A dor cervical pode fazer que a pessoa tenha dificuldade para mover o pescoço, especialmente para um lado, o que se conhece com o nome de torcicolo. Como a dor cervical compromete os nervos, seja por um espasmo muscular ou uma hérnia de disco, a mesma pode ser acompanhada de outros sintomas como intumescimento, formigamento ou fraqueza no braço e na mão.

Na maioria dos casos a dor cervical é produzida por uma tensão ou distensão muscular durante uma atividade. Alguns exemplos gráficos seriam a adoção de má postura para ler, assistir televisão ou estar sentado frente a uma escrivaninha; colocar o monitor do computador alto ou baixo demais, dormir numa posição incômoda ou girar repentinamente o pescoço quando se realiza um exercício. As lesões cervicais produzidas por eventos traumáticos, como os acidentes de trânsito ou as quedas, também figuram entre as causas de dor cervical.

Outras causas são a hérnia de disco, a fibromialgia e as afecções dos ossos e articulações, como a artrite, a artrose e a osteoporose. A meningite, uma enfermidade infecciosa que se caracteriza pela inflamação das meninges (capas ou membranas que recobrem o cérebro), se bem que seja uma causa muito menos comum, pode ocasionar uma rigidez cervical significativa e característica da enfermidade.

Dor lombar

A dor que se estabelece na coluna lombar, conhecida sob o nome de lombalgia, é mais comum em sujeitos entre os 30 e os 55 anos de idade. A lombalgia é uma das afecções mais frequentes de que padece o ser humano. As causas da dor lombar, a mesma maneira que para a dor cervical, são de origem osteoarticular, muscular ou neural.

O conhecimento da biomecânica da coluna vertebral é de grande utilidade ao sujeito com dor lombar no momento da recuperação. As pessoas aprendem quais são as coisas que não devem fazer e quais, sim, devem realizar no dia a dia, que lhes permita aliviar a dor e evitar o aparecimento de novos episódios. Evitar permanecer de pé ou sentado durante períodos prolongados de tempo, o emprego do encosto para os braços ao sentar-se, a flexão dos joelhos ao agachar-se e levantar-se, junto com outras medidas tais como realizar exercícios abdominais periodicamente, ingerir una dieta rica em frutas e verduras e evitar o cigarro, são alguns dos conselhos muito úteis para evitar o aparecimento da dor lombar.

Quando a dor lombar deve motivar a consulta médica

Quando a dor lombar se associa ao aparecimento de outros sintomas, é oportuno realizar uma visita ao profissional de saúde. Isto é particularmente recomendado quando, por exemplo, aparecem adormecimentos ou sensação cócegas, quando a dor é intensa e não alivia com o descanso, quando a dor é produto de uma lesão ou queda, ou quando a dor produz dificuldade para urinar, fraqueza, adormecimento das pernas, febre e perda de peso que não se justifica por outra razão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
Prezado usuário, 

 

A Kairos contém conteúdos que são dirigidos exclusivamente a profissionais de saúde, farmacêuticos, médicos e odontólogos.

O site oferece informações apenas para fins educacionais e informativos em geral para profissionais autorizados a prescrever ou dispensar medicamentos. Estas informações não se destinam a substituir o aconselhamento, tratamento ou recomendações de profissionais de saúde ou substituir os conhecimentos, competências e melhores práticas que adquiriram durante a sua formação.

 

Ao aceitar estas condições, você declara ser profissional de saúde.